Blog

rentabilidade sobre o patrimônio líquido

7 dicas para aumentar a rentabilidade sobre seu patrimônio líquido!

por URBS Imobiliária - Publicado em 04 de outubro de 2019
rentabilidade sobre o patrimônio líquido
Tempo de leitura 6 min

Geralmente, quando o assunto é dinheiro, consideramos apenas quanto ganhamos, não é mesmo? Porém, a medida verdadeira de riqueza não se trata dos rendimentos, mas do patrimônio líquido, que é o valor de tudo o que um indivíduo possui subtraído do quanto é devido. Portanto, para aumentar seu capital, é fundamental saber como elevar a rentabilidade sobre o patrimônio líquido.

É sobre isso que trataremos neste artigo. Aqui, você compreenderá a diferença entre os rendimentos, descobrirá como calcular o retorno sobre o patrimônio e, ainda, conhecerá dicas valiosas para ter mais lucratividade de maneira segura. Acompanhe!

1. Entenda melhor o que é patrimônio líquido

O primeiro passo para aumentar sua rentabilidade é entender o que é patrimônio líquido. Um dos grandes erros cometidos por quem deseja enriquecer é limitar sua visão aos rendimentos mensais. Conforme mencionamos, o patrimônio líquido é a soma de tudo o que você possui, ou seja, dinheiro, ações, negócios, imóveis e outros bens de valor, diminuído do quanto você deve.

Essa é a medida definitiva, pois esses bens podem ser liquidados, isto é, convertidos em dinheiro. Desse modo, construir um patrimônio é fundamental para garantir sua estabilidade e segurança financeira.

2. Compreenda a configuração dos seus rendimentos

A próxima etapa para aumentar a rentabilidade sobre o patrimônio líquido é compreender como estão divididos os seus rendimentos. A sua renda é todo o dinheiro que você recebe mensalmente em sua conta. Então, os rendimentos podem ser classificados em dois tipos, como veremos a seguir.

Rendimentos ativos

São os valores recebidos provenientes do trabalho que você executa: o salário, no caso de trabalhadores com carteira assinada, ou os lucros obtidos com o próprio negócio, no caso de autônomos e empresários. É um elemento de extrema importância porque traz previsibilidade e segurança.

Contudo, quando inexistente, é praticamente impossível compor um patrimônio líquido, pois quanto maior o rendimento ativo, mais podemos poupar e investir. Não é indicado depender somente desse tipo de rendimento, pois ele representa uma fonte limitada de dinheiro.

Rendimentos passivos

Equivalem ao dinheiro recebido sem que seja preciso trabalhar ativamente. Pode ser proveniente de diferentes fontes, como dividendos, royalties, renda de aluguel, juros de investimentos, entre outras. Eles não devem ser vistos como única fonte de renda, mas como um complemento dos rendimentos ativos. Essa é a melhor forma de enriquecer.

3. Saiba calcular o Retorno sobre Patrimônio Líquido

ROE é a sigla em inglês para Return On Equity, que pode ser traduzido para o português como Retorno sobre o Patrimônio Líquido. Tem como objetivo analisar e medir a capacidade que uma empresa tem para gerar valor e lucratividade para seus investidores, a partir dos próprios recursos.

Por esse motivo, saber como calculá-lo é importante para que você saiba quanto pode ter de retorno sobre o seu próprio patrimônio, bem como para analisar quais os melhores investimentos do mercado atual. Em resumo, é o principal indicador que você deve utilizar para saber a melhor forma de aplicar seu dinheiro.

O ROE é expresso em porcentagem e indica qual foi o lucro líquido nos últimos 12 meses. A fórmula é bastante simples, observe:

ROE = lucro líquido / patrimônio líquido

Vale ressaltar que, ao calcular o lucro líquido de uma empresa para saber se vale a pena comprar suas ações, deve-se ter como base o lucro líquido relativo ao ano fiscal completo. Ou seja, antes dos dividendos pagos aos proprietários de ações ordinárias, mas depois dos pagos para os que detêm ações preferenciais.

4. Controle seus gastos

A próxima etapa é mudar sua forma de administrar suas despesas. Poupar dinheiro é a chave para gerar riqueza. O ideal é que você elabore uma planilha detalhada contendo seus rendimentos e também suas despesas. Examine quais são seus gastos, para onde o seu dinheiro está indo. O objetivo disso é identificar possíveis desperdícios e gargalos.

A partir de então, é preciso reduzir ou, até mesmo, eliminar determinadas despesas desnecessárias. Ao gastar menos, haverá uma reserva financeira que deve ser economizada de forma constante e consistente para realizar investimentos rentáveis.

5. Identifique seu perfil de investidor

Esse passo é essencial para descobrir qual a carteira de investimentos mais adequada para você. A sua personalidade, objetivos e a maneira com que lida com os acontecimentos são o que determinam seu perfil. Há três categorias e elas são definidas, de forma geral, de acordo com sua tolerância a riscos. Entenda:

  • conservador: prioriza a segurança nos investimentos. Assim, a carteira deve conter mais ativos de baixo risco, como CDB, LC, Tesouro Direto, Fundos Imobiliários e Fundos de Renda Fixa;
  • moderado: aprecia a segurança, mas, ao mesmo tempo, tolera riscos de longo prazo. Então, procura equilibrar riscos e rentabilidade acima da média do mercado;
  • arrojado ou agressivo: esse perfil entende que as perdas a curto prazo são necessárias para obter lucros mais altos a longo prazo. Tem conhecimento, preparo técnico e emocional para lidar com as oscilações do mercado.

6. Diversifique seus investimentos

Ter uma carteira com vários tipos de ativos, com rentabilidades e riscos diferentes é importante. Isso traz redução dos riscos, aumenta a rentabilidade e melhora a adaptação ao mercado. Afinal, se todo o seu dinheiro estiver investido em apenas um ativo e caso ocorra uma mudança no cenário ou no mercado, os prejuízos podem ser graves.

Para fazer uma carteira diversificada, é preciso levar em conta o seu perfil de investidor, conforme o tópico anterior. Digamos que você se enquadra como conservador. Então, sua carteira deve ter maior parte de ativos com riscos baixos e alguns riscos mais elevados.

Quando falamos em diversificar os investimentos, não nos referimos apenas a compra e venda de ações ou aplicação em fundos. Uma forma bastante segura e lucrativa de investimento é a obtenção de renda por meio do aluguel de imóveis. Além de aumentar o seu patrimônio, há um ganho mensal de receita, elevando seus rendimentos passivos.

7. Acompanhe o retorno financeiro

O último passo para ter mais lucratividade é acompanhar o retorno financeiro. Acompanhe cada investimento feito e analise se o retorno é o esperado. Caso contrário, identifique o que pode ser mudado ou, ainda, o que mais pode ser feito para gerar ainda mais lucro. É importante ter todos os dados sempre atualizados. Assim, você pode prever resultados e tomar atitudes em tempo hábil para evitar perdas.

Como você viu, não é difícil aumentar a rentabilidade sobre o patrimônio líquido. O principal é ter bastante organização financeira e disciplina para administrar o dinheiro de forma inteligente e eficiente. Para finalizar, inspire-se com uma citação de T. Harv Eker, autor do best-seller Os Segredos da Mente Milionária: “Os ricos consideram cada real que possuem uma semente a ser plantada para render outros 100, que podem ser replantados para render outros 1000 e assim por diante”.

Quer mais dicas sobre como ter mais rendimentos? Então, aproveite a visita no blog e leia nosso artigo para saber o que é preciso para construir um patrimônio. Assim, você conseguirá perceber novas possibilidades de obter mais lucratividade. Boa leitura!


Deixe seu Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *




Categorias: Mercado e Investimentos