Blog

indicadores do mercado imobiliário

10 principais indicadores do mercado imobiliário

por URBS Imobiliária - Publicado em 16 de outubro de 2019
indicadores do mercado imobiliário
Tempo de leitura 6 min

Você conhece os indicadores do mercado imobiliário? As pessoas que desejam investir em imóveis precisam se manter sempre atualizadas sobre a movimentação do setor, que é dinâmico e pode oferecer boas oportunidades aos interessados.

O mercado dos imóveis atravessa ciclos de alta e baixa periódicos e os especialistas conseguem fazer certas previsões com um percentual satisfatório de acertos por meio desses indicadores.

Eles são ótimos para nortear as decisões certas, compreendendo o cenário atual. Como o próprio nome diz, indicam caminhos. No entanto, é necessário saber interpretá-los. Neste post, mostraremos alguns deles que serão úteis para sua análise. Aproveite para conferir!

1. Custo Unitário Básico da Construção Civil (CUB)

Um dos mais importantes indicadores é o CUB, ou Custo Unitário Básico da Construção Civil. Ele é muito usado para atualizar contratos de imóveis que estão na fase de construção. É um índice específico, que indica os custos médios de mão de obra e dos materiais.

O cálculo para obter os valores não é único, variando conforme o estado. Sem falar que os valores corrigidos ocorrem apenas para imóveis que estão em construção, não podendo ser aplicados em imóveis prontos.

2. Índice Geral de Preços do Mercado (IGP-M)

Outro que se destaca entre os indicadores do mercado imobiliário é o IGP-M, ou Índice Geral de Preços do Mercado. Trata-se de um cálculo mensal aplicado nos contratos de compra e venda de imóveis construídos. A instituição responsável pela realização do cálculo é a Fundação Getúlio Vargas (FGV).

Ele também serve para a correção de contratos de locação de imóveis. A maior parte dos contratos de locação (sejam os imóveis residenciais, sejam os comerciais) tem uma cláusula que determina o percentual de reajuste ao ano que incide sobre o imóvel. O cálculo para corrigir os valores baseia-se sobre o que foi acumulado nos doze últimos meses do ano.

3. Índice Nacional de Custos da Construção do Mercado (INCC-M)

O INCC-M é um índice que também é calculado pela Fundação Getúlio Vargas, cujo objetivo é acompanhar os valores dos imóveis habitacionais.

Para realizar esse cálculo, são coletados dados de 7 capitais do Brasil:

  • São Paulo;
  • Rio de Janeiro;
  • Salvador;
  • Belo Horizonte;
  • Recife;
  • Brasília;
  • Porto Alegre.

Esse indicador é especial porque foi o primeiro usado na construção civil nacional. Ele funciona como um regulador dos níveis da atividade econômica brasileira. O cálculo do Índice Nacional de Custos da Construção do Mercado envolve também equipamentos, materiais, serviços e mão-de-obra, sendo de periodicidade mensal.

4. Índice FipeZap

Esse índice revela qual o comportamento dos preços no setor imobiliário. É fornecido pelo Portal Zap e pela FIPE (Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas). São dados em grande quantidade que mostram o que está acontecendo nas grandes cidades do Brasil. Trata-se de um dos indicadores mais frequentemente atualizados.

5. Sistema Nacional de Pesquisas de Custos e Índices da Construção Civil

Trata-se de um indicador criado pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística). Ele realiza um levantamento de preços e de salários pagos, revelando gastos e índices da construção civil. Esse sistema é gerado em convênio com a Caixa Econômica Federal, fazendo uma análise dos custos médios de construção em todos os estados brasileiros.

6. Indicadores do Mercado SECOVI (SP)

O Sindicato da Habitação (SECOVI) de São Paulo é o maior do mercado imobiliário de toda a América Latina. Ele disponibiliza os resultados da PMI (Pesquisa do Mercado Imobiliário) e da Pesquisa Mensal de Locação Residencial.

As informações fornecidas são muitas: a quantidade de processos pela falta de pagamento dos condomínios; dados relacionados aos financiamentos de imóveis; lançamentos; vendas; locações e outras coisas.

7. Indicadores do Mercado Imobiliário ABRAINC/FIPE

Esses também são importantes indicadores do mercado imobiliário nacional. Resultam da parceria da Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas (FIPE) e da Associação Brasileira de Incorporadoras Imobiliárias (ABRAINC).

Mensalmente, essas duas instituições fazem a divulgação dos lançamentos, das vendas, das entregas e da oferta final. Elas ainda revelam outro dado muito pertinente, que é a quantidade de distratos (rompimento de contratos) no setor de imóveis comerciais e residenciais.

8. Pesquisa CRECI (SP)

O Conselho Regional dos Corretores de Imóveis de São Paulo realiza um trabalho de fôlego, pesquisando mais de 1,5 mil corretoras do estado. A pesquisa oferece dados valiosos sobre a venda e a locação de imóveis. O relatório é mensal.

9. Índice Nacional de Preços ao Consumidor (INPC)

Esse indicador também é calculado pelo IBGE. Existe desde 1979, sendo obtido de outros indicadores: os Índices de Preços ao Consumidor regional, revelando o comportamento do custo de vida dos brasileiros.

Para calcular o INPC, considera-se o período de coleta das informações que começa no primeiro dia do mês e vai até o último desse mesmo mês (30, 31 ou 28,29, no caso de fevereiro).

Participam da coleta de dados os imóveis comerciais, residenciais e prestadores de serviços (conseguindo-se, dessa maneira, os valores relativos a aluguéis). Esses preços são aqueles cobrados ao consumidor para pagamento à vista.

O Índice Nacional de Preços ao Consumidor serve para reajustar parcelas nos contratos de imóveis já construídos e também para a negociação de reajustes de salários.

10. Monitor da Construção Civil (MCC) e o IACI

Outro índice importante, ainda que menos conhecido, entre os indicadores do mercado imobiliário é o Monitor da Construção Civil. Ele identifica as movimentações do setor de imóveis. Conforme o perfil de cada empresa ou pessoa, fica mais fácil definir estratégias a partir dos dados fornecidos pelo MCC. Esse indicador, como o FipeZap, também é resultante de uma parceria: Neoway e Tendências Consultoria. Ele avalia e monitora o mercado da construção em nível nacional.

O IACI, Índice de Atividade da Construção Civil, integra o MCC e mensura a metragem quadrada em construção civil, como fundações, estruturas, acabamentos e também os lançamentos de obras residenciais, comerciais, de turismo e assim por diante.

Em 2018, o IACI completou 10 anos. Caso seja relevante, em um nicho de mercado, o padrão de obras, as avaliações podem levar em conta, por exemplo, as obras que estão sendo construídas (IACI) por padrão ou, ainda, as obras que estão sendo lançadas (IACI-L) por padrão.

Entre os indicadores que formam o MCC, o destaque maior é para o IACI Geral, que envolve a totalidade das obras em construção, nos segmentos e em todas as regiões. Vale dizer que o IACI é divulgado mensalmente.

Os indicadores do mercado imobiliário devem ser acompanhados por todo indivíduo que pensa em investir em imóveis para comprar, vender ou locar. Eles ajudarão muito a embasar suas decisões.

Se achou interessante este conteúdo, aproveite para assinar a nossa newsletter e receber artigos sobre imóveis diretamente em seu e-mail!


Deixe seu Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *




Categorias: Mercado e Investimentos