Blog

gestão ativa e passiva

Você sabe o que é gestão ativa e passiva? Entenda como elas influenciam nos seus investimentos!

por URBS Imobiliária - Publicado em 03 de março de 2020
gestão ativa e passiva
Tempo de leitura 5 min

A cada ano que passa, o interesse de investidores em fundos imobiliários cresce, principalmente por ser um negócio altamente seguro. Mas poucos sabem como usar as gestões ativa e passiva nesses investimentos. Elas estão direcionadas ao risco da aplicação e se ela é de fato rentável, sendo fundamentais para a disposição correta dos recursos.

Assim, o gerenciador do fundo assume a responsabilidade pela seleção daqueles produtos que farão parte da compra, sempre pensando na estratégia do empreendimento. Ainda, são dele as decisões de compra e venda dos ativos e é ele quem está ligado diretamente à performance do fundo imobiliário. No entanto, esse fundo não pode ter uma gestão ativa e passiva compartilhada, sendo preciso optar por uma delas.

A gestão ativa depende totalmente das escolhas feitas pelo gestor, influenciando na carteira de produtos e no fundo de investimentos. Portanto, é considerada dinâmica e a pessoa procura as melhores opções do momento, sempre de acordo com a estratégia do fundo.

Já a gestão passiva tende a copiar um índice específico, conhecido como benchmark. Geralmente se espelha na Ibovespa, por estar mais explícita no mercado. Com isso, é um tipo de investimento no qual a performance se baseia exclusivamente no benchmark. Continue a leitura, pois preparamos uma série de características importantes que farão toda diferença na hora de escolher entre esses dois tipos de investimentos. Confira!

Gestão ativa

Esse tipo de gestão de fundos permite ao gestor ter maior amplitude dos ativos no momento de decidir sobre quais obter, tendo como resposta um ganho superior ao do índice de referência.

Nessa situação, o regulamento do índice de referência estabelecerá limites de tipos de investimentos que terão a possibilidade de se unir à carteira. Procurar por tais aplicações é uma tarefa realmente desafiadora, pelo fato de trazer riscos mais elevados e aumentar a necessidade de atenção de quem as gerencia.

Um dos melhores exemplos de fundos ativos são aqueles de multimercados, que podem usar variadas estratégias, como o foco em defender a quantia que foi investida e alcançar mais rentabilidade para uma determinada carteira de investimentos. A grande jogada aqui é a chance de obter lucros acima do esperado ou sofrer um déficit devido aos movimentos dinâmicos do mercado.

Apesar desses ganhos acima da média serem uma grande vantagem, esse trabalho não se mostra tão simples quanto parece ser, pois exige sempre uma equipe especializada com atenção redobrada às oscilações do mercado e às conveniências que oferece. Isso pode aumentar consideravelmente o custo para mantê-las ativas.

Para aqueles que almejam grandes retornos, se opondo a títulos do Tesouro Direto ou renda fixa, esse tipo de gestão pode ser uma opção agradável. Porém, pode apresentar algumas desvantagens, como a alta instabilidade, que traz uma grande chance de o cliente perder parte considerável do capital investido em um período curto de tempo, além do custo da administração e da pressa por resultados. Por isso mesmo, o gestor que consegue ser bem-sucedido costuma encarecer seus serviços.

Por fim, é essencial compreender que a cobrança por altas performances deve ser valorizada, pois contempla a produtividade da pessoa que optou por destinar seu dinheiro a aplicações mais ousadas, tendo, portanto, maiores rendimentos.

Gestão passiva

Primeiramente, devemos compreender que é indicado um índice de referência para o fundo, o conhecido benchmark. Ele é utilizado como um norteador para as tarefas do gestor, assemelhando-se a uma meta a ser alcançada antes que se possa mostrar os resultados aos clientes.

Ao contrário do fundo de gestão ativa, a passiva não contém um aperto tão grande no fundo, pois o objetivo maior, nesse investimento, é buscar pela rentabilidade estabelecida no índice padrão ou de referência.

Dessa maneira, a regulamentação seleciona os ativos que farão parte da carteira. Um exemplo disso são os títulos ligados ao Tesouro Direto e seu índice de referência para a rentabilidade do fundo.

Como consequência da diminuição da pressão imposta por produtividade e ganhos acima do normal, esse tipo de aplicação tem um gasto menor com a parte administrativa. Outra grande vantagem de um fundo passivo é ter sempre em mão resultados previsíveis, o que é característica tipicamente de rendas fixas.

Já a desvantagem mais acentuada é ter opções menos atrativas para essa gestão, principalmente àqueles que procuram rendimentos acima do padrão. Ainda, o próprio benchmark pode sofrer com variações exponenciais, devendo o gestor fazer uma avaliação criteriosa do fundo que vai escolher.

Diferença entre as gestões

Como visto acima, as gestões ativa e passiva se diferem em vários pontos. Uma gestão ativa induz a pessoa a buscar estratégias diversas ou até ter que modificar a carteira com frequência, almejando rentabilidades diferenciadas e acima da média.

Em outras palavras, se faz necessário um monitoramento muito mais acentuado nas oscilações do mercado com ponderações mais focadas na situação política e econômica do momento. Isso faz com que as aplicações selecionadas sejam variáveis de acordo com o contexto.

Com relação à gestão passiva, esta não exigirá uma apreciação tão profunda do mercado, se resumindo, em certos casos, à aquisição de um número bem restrito de títulos públicos nos fundos de renda fixa. Isso dispensa o gestor, inclusive, de fazer movimentações em bolsas de valores ou outros fundos de renda variável.

Por outro lado, a gestão ativa, geralmente, abrange ações, documentos, contratos e derivados de empresas e governos, buscando resguardar os recursos e, simultaneamente, melhorando os resultados obtidos.

Podemos concluir que enquanto um fundo de gestão almeja apenas ficar às margens de um índice de referência preestabelecido, o outro busca pela superação deste. Assim, percebemos o porquê de o fundo de gestão passiva cobrar taxas menores que as de gestão ativa. Todavia, a taxa performática condiz com uma remuneração justa, por estar diretamente ligada ao desempenho de cada tipo de gestão.

Agora que já sabe tudo sobre as gestões ativa e passiva de um fundo imobiliário, saiba como fazer um planejamento consciente para investir em imóveis.


Deixe seu Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *




Categorias: Mercado e Investimentos