Blog

como proteger o patrimônio pessoal

Veja como proteger o patrimônio pessoal com estas 4 dicas

por URBS Imobiliária - Publicado em 21 de outubro de 2019
como proteger o patrimônio pessoal
Tempo de leitura 6 min

Responda a uma pergunta rápida: você sabe como proteger o patrimônio pessoal? Não? Então, saiba que está no lugar certo! Quando falamos sobre finanças, há uma série de assuntos nos deixam em dúvidas — e a proteção dos bens é um deles. Constantemente levantado por empresários e sócios de uma empresa, esse tema é extremamente importante e merece ser tratado com atenção.

O motivo é um só: quem tem um negócio próprio corre, diariamente, o risco de tomar decisões erradas e acabar se endividando financeiramente. E uma vez que isso acontece, todos costumam sofrer com as consequências do problema. Um bom exemplo disso é quando surge uma ação judicial, que pode bloquear os bens e prejudicar a vida financeira de toda a família.

No entanto, para evitar que isso ocorra, é possível investir na proteção do patrimônio pessoal. Com essa precaução, você terá mais segurança e tranquilidade para manter tudo o que conquistou ao longo da vida. Mas, afinal, como realizar essa tarefa e evitar dor de cabeça em casos de imprevistos? É o que explicaremos a seguir. Acompanhe a leitura para saber mais!

Importância de proteger o seu patrimônio

Não é preciso ser empresário para conhecer alguém que, em algum momento da vida, acabou tendo todos os seus bens bloqueados judicialmente — por falência, falta de planejamento, investimentos equivocados ou qualquer outra motivação. Bem, quando isso acontece, não há como negar: a família inteira acaba sendo prejudicada. Afinal, mesmo depois de conquistar uma sólida base financeira, tudo vai por água abaixo e o orçamento familiar já não é mais o mesmo. Um verdadeiro pesadelo!

Contudo, se você atua no ramo, vale a pena aprender como proteger o patrimônio pessoal e prevenir que situações assim ocorram. Tais medidas, de cunho jurídico e administrativo, são constantemente praticadas em períodos de instabilidade econômica no país. Uma vez adotadas, as estratégias são capazes de não apenas proteger os seus bens de penhoras, como também minimizar custos e impostos, garantir melhor governança e elaborar um planejamento mais sólido e eficiente.

Vantagens desse cuidado

Ao falar sobre proteção de patrimônio pessoal, não estamos querendo dizer para que você crie empresas “laranjas” ou sonegue tributos. Pelo contrário: como se sabe, empreender é uma prática que merece cautela e, felizmente, existem algumas táticas que podem ser adotadas para que os sócios de uma empresa não percam tudo o que conquistaram da noite para o dia.

No Brasil, por exemplo, as chamadas Sociedades Limitadas (LTDAs) e as Empresas Individuais de Responsabilidades Limitadas (EIRELI) podem contar com diferentes dispositivos legais para evitar transtorno. O lado bom é que há inúmeros benefícios que podem ser desfrutados pelos empresários que investem nesse mecanismo. Veja alguns deles:

  • maior garantia de solidez do negócio;
  • possibilidade de não expor os bens do empresário;
  • mais segurança para toda a família a longo prazo;
  • menos gastos com taxas e impostos desnecessários.

4 dicas sobre como proteger o patrimônio pessoal

Poucos empreendedores sabem, mas existem diferentes maneiras de proteger um patrimônio pessoal e, com isso, conquistar mais tranquilidade ao longo da vida. O mais interessante é que essas táticas podem ser adotadas tanto individualmente quanto em conjunto — em parceria aos demais sócios de uma corporação. Saiba mais, a seguir.

1. Realize auditorias frequentes

Não se engane: o primeiro passo para aprender a proteger o patrimônio pessoal, é investir nas auditorias periódicas. Para tanto, a recomendação é contratar os serviços de profissionais especializados no ramo: os auditores.

Com esse trabalho, será mais fácil encontrar problemas fiscais ou tributários, antes mesmo que o próprio governo note tais alterações e confisque os seus bens. Também é válido ressaltar que a prática de fazer auditorias é fundamental em toda e qualquer empresa que deseja se consolidar no mercado e crescer de forma considerável.

2. Pratique o planejamento sucessório

Outra maneira de proteger o seu legado é realizando o planejamento sucessório. Com essa modalidade, o titular dos bens consegue transferir, ainda em vida, todo o seu patrimônio aos herdeiros.

Essa é uma excelente alternativa para quem deseja ter o máximo de proteção patrimonial e, de quebra, diminuir qualquer conflito que possa surgir após o seu falecimento. Aqui, é importante ressaltar que, embora tal método seja um tanto trabalhoso e burocrático, ele é extremamente eficaz. Uma vez adotado, o planejamento sucessório poderá:

  • atender às necessidades de toda a família;
  • preservar os bens;
  • delegar a responsabilidade de cada familiar;
  • manter a família preparada para assumir qualquer posto em caso de falecimento.

3. Faça a blindagem patrimonial

Os empresários também podem apostar na chamada blindagem patrimonial para proteger os seus bens e evitar que as suas conquistas sejam prejudicadas por conta de dívidas, recuperações judiciais ou indenizações. Para quem não entende, essa alternativa consiste em um conjunto de medidas tributárias e jurídicas exclusivas para preservar um determinado patrimônio.

Uma vez adotada, a blindagem patrimonial faz com que os bens do titular passem a existir de forma isolada da pessoa física, mas sem que ele perca os seus direitos como proprietário. Normalmente, a medida é realizada quando há disputas familiares, processos trabalhistas, complicações com o Fisco ou encerramento de uma sociedade. Já para realizar a prática, será preciso escolher uma das cinco modalidades disponíveis, como:

  • os holdings patrimoniais;
  • a doação de bens com a cláusula de reserva de usufruto;
  • o matrimônio com separação de bens;
  • os fundos exclusivos.

4. Contrate um seguro de vida

Para finalizar, uma possibilidade que merece a nossa atenção é o seguro de vida resgatável. Você já considerou essa ideia? Diferente das opções tradicionais, em que há um prêmio pago aos beneficiários, esta modalidade permite que você recupere o dinheiro investido — desde que o período de carência já tenha passado.

Na maioria das vezes, a carência gira em torno de dois anos e, quanto maior for o tempo da sua contratação, mais alta será a parcela que você conseguirá resgatar. A grande vantagem é que todo o dinheiro será rentabilizado, uma vez em que a quantia vai para um fundo de resgate com taxa anual devidamente prevista em contrato.

No caso da proteção patrimonial, essa opção é válida porque o montante investido não será, de fato, seu — somente se ocorrer algum imprevisto, como falecimento ou invalidez. Pense nisso!

E então, após a leitura ficou fácil aprender como proteger o patrimônio pessoal? Esperamos que sim! Siga as dicas e tenha certeza: você conseguirá diminuir uma série de problemas no futuro!

Para continuar por dentro de outros conteúdos relevantes como este, não perca tempo e assine agora mesmo a nossa newsletter. Enviaremos materiais exclusivos diretamente no seu e-mail. Aproveite!


Deixe seu Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *




Categorias: Mercado e Investimentos