Blog

alugar direto com o inquilino

Conheça 6 riscos de alugar direto com o inquilino

por URBS Imobiliária - Publicado em 18 de outubro de 2019
alugar direto com o inquilino
Tempo de leitura 6 min

Muitos donos de imóveis decidem alugar direto com o inquilino por entenderem que essa prática facilita a locação e reduz despesas, já que não precisarão arcar com os valores do contrato com a imobiliária. Entretanto, essa prática oferece riscos e pode resultar em grandes prejuízos para o proprietário.

Por outro lado, o apoio profissional traz benefícios importantes para que o proprietário e o inquilino tenham mais tranquilidade e segurança na locação, devido ao conhecimento e experiência no assunto.

Com o objetivo de mostrar a importância de contar com o suporte de uma imobiliária, listamos 6 riscos de alugar direto com o inquilino. Continue a leitura e se informe!

1. Desconhecimento das regras ao alugar direto com o inquilino

O contrato de locação deve seguir as regras previstas na lei do inquilinato (Lei n.º 8.245/1991), com um contrato bem redigido observando os direitos e deveres das partes. No entanto, o desconhecimento das normas ou, até mesmo, a falta desse documento é um problema recorrente nas locações feitas direto com o inquilino.

Como consequência, o proprietário corre o risco de assinar um contrato que não traz todas as informações necessárias ou que não tenha a clareza exigida pela lei. A elaboração do documento por profissionais é fundamental para constar todos os detalhes exigidos e de acordo com a legislação, observando regras sobre prazos, reajustes, garantias e multas.

Nos casos de uma locação sem contrato escrito, o dono do imóvel enfrentará grandes dificuldades para garantir os seus direitos, caso o inquilino deixe de cumprir as obrigações acordadas.

2. Erros na avaliação do imóvel

A locação deve ter um valor justo para atrair os inquilinos, porém, sem suporte profissional o dono pode cometer erros graves na avaliação, determinando preços em desacordo com o mercado, o que gera dois grandes riscos.

O primeiro é determinar um preço muito elevado, que afastará as pessoas interessadas e fará com que o imóvel fique parado por muito tempo. Isso reduz o retorno do investimento e aumenta as despesas do proprietário, que deverá arcar com gastos que podem ser repassados para o locatário, como condomínio, energia, IPTU etc.

O segundo é ofertar um aluguel abaixo do mercado. Isso facilitará a locação, porém, você terá prejuízos em relação aos rendimentos que poderiam ser obtidos com o imóvel. Uma imobiliária sabe como avaliar corretamente o imóvel, além de aplicar as melhores práticas para anunciar e negociar para garantir um bom retorno.

3. Falta de conhecimento sobre as garantias

As garantias locatícias estão previstas na lei do inquilinato e têm o objetivo de trazer mais segurança para o proprietário. Porém, a falta de conhecimento sobre as regras aplicáveis em cada uma das alternativas existentes pode dificultar a locação.

A caução, por exemplo, deve ser feita por meio de depósito em uma conta conjunta entre as partes e só pode ser movimentada em situações específicas. Muitas vezes o locador cobra o valor no início do contrato e o deposita em uma conta pessoal, utilizando-o conforme a sua necessidade, o que gera dificuldades ao término da locação no momento de devolver os valores ao inquilino.

Opções como o seguro-fiança, títulos de capitalização e, até mesmo, o uso de cartões de crédito para a garantia locatícia também são pouco utilizados nessa modalidade de contrato, principalmente pela falta de conhecimento sobre esses serviços e como contratá-los.

Com isso, o proprietário aumenta os riscos de cometer erros ao solicitar garantias ou perde boas oportunidades de negócio por não oferecer alternativas adequadas para o inquilino. Por outro lado, com o suporte profissional, todas essas questões são solucionadas, facilitando a locação.

4. Dificuldade na análise de crédito

A análise de crédito é um ponto fundamental no contrato de locação, contudo, não é uma tarefa muito simples. Ao alugar direto com o inquilino, o proprietário pode encontrar dificuldades em relação à documentação necessária e quais critérios avaliar.

É necessário avaliar a renda familiar do inquilino com atenção, para garantir que ele tem capacidade financeira de arcar com o valor dos aluguéis e demais taxas na locação. Caso tenha um fiador, também é fundamental avaliar a documentação corretamente, para ter certeza de que conseguirá receber os valores devidos diante da inadimplência. Erros nesses procedimentos aumentam os riscos do contrato.

5. Desgaste no relacionamento

Durante a locação, existem diversas questões que resultam em atritos entre o inquilino e o proprietário, desgastando a relação e trazendo dores de cabeça. Alguns exemplos comuns são:

  • danos causados ao imóvel pelo inquilino;
  • necessidade de obras ou reparos de responsabilidade do proprietário;
  • reajuste do valor do contrato;
  • falta de pagamento do aluguel ou taxas.

Muitas vezes, o contrato é encerrado devido aos problemas no relacionamento entre as partes, principalmente quando a falta de conhecimento sobre as obrigações legais de cada um causa discussões.

A melhor forma de evitar esse tipo de problema é contando com o suporte de uma imobiliária para gerir os seus imóveis. Além de conhecer as responsabilidades das partes no contrato, ela também intermediará todos os contatos, evitando os desgastes entre inquilino e proprietário.

6. Problemas na cobrança

Se o inquilino deixar de pagar os aluguéis, é necessário tomar algumas medidas para receber os valores devidos. Portanto, o proprietário precisa saber como abordá-lo corretamente, quais práticas são permitidas por lei e qual o momento certo de ingressar com uma ação judicial de despejo e cobrança.

Tudo isso exige conhecimentos específicos, experiência e, infelizmente, traz algumas dores de cabeça. Como consequência, muitas vezes os donos de imóveis acabam assumindo os prejuízos da inadimplência.

Com o suporte de uma imobiliária, isso não será problema. Os profissionais assumem o controle de pagamentos e aplicam todas as medidas para cobrar o locatário ou receber os valores por meio das garantias ofertadas no contrato.

Viu só? Apesar de parecer uma boa alternativa, alugar direto com o inquilino traz diversos riscos para o contrato. Por isso, é importante sempre contar com o suporte de uma imobiliária de confiança para intermediar as locações e auxiliar em todas as etapas do negócio.

Gostou do conteúdo? Se você ainda tem dúvidas sobre os benefícios de contratar uma imobiliária ou está em busca de uma empresa de qualidade, entre em contato conosco e veja como a URBS imobiliária pode ajudar!


Deixe seu Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *




Categorias: Mercado e Investimentos